VER  HISTÓRIA

 

 

 

1ª SÉRIE

ENSINO MÉDIO

 

SOCIOLOGIA

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

TEMA DO TRABALHO: "PROJETO DE PESQUISA: PROBLEMAS ATUAIS"

ENTREGA: 24/03

vALOR: 10,0

FORMATO: GRUPO

A partir das nossas discussões e trabalho em sala de aula, depuramos temas atuais relevantes para entender o Brasil atual, ao mesmo tempo servisse de exemplo de estudo, neste inicio de curso, de uma pesquisa na área de Sociologia.

Este trabalho consistirá na apresentação de um "Projeto de Pesquisa", ou seja, é um planejamento do método utilizado por um pesquisador para mostrar o que ele pretende estudar (não é propriamente o estudo ainda). O projeto de pesquisa define os rumos que serão tomados pelo pesquisador e se precaver de redundâncias, generalidades e desperdício de tempo. É uma reflexão prévia necessária para traçar os objetivos e definir o "objeto de estudo" (o tema específico e problematizado). O projeto de pesquisa deve responder algumas perguntas: "o que pesquisar?" (tema); "por que pesquisar?" (justificativa); "para que pesquisar?" (objetivos); "como pesquisar?" (metodologia); "quando pesquisar?" (cronograma).

Na prática, os projetos devem apresentar a seguinte estrutura:

1. Introdução.

2. Objetivos.

3. Justificativa.

4. Problematização (pré-tese).

5. Metodologia.

6. Bibliografia.

 

Os grupos previamente definidos são responsáveis pelos seguintes temas:

 

G1: Direitos Humanos

G2: Violência

G3: Meio Ambiente

G4: Corrupção

 

LEIA MAIS!

http://www.coladaweb.com/como-fazer/projetos-de-pesquisa

http://wp.ufpel.edu.br/prppg/files/2014/04/Modelo-Projeto-Pesquisa.doc

 

 

 

 

 

 

TEmA DO TRabalho: sociologia, sociedade e indivíduo

ENTREGA: 00/00

FORMATO: GRUPO (5)

vALOR: 10,0

Como tratar o fato social

Os fatos sociais devem ser tratados como coisas — eis a proposição fundamental de nosso método, e a que mais tem provocado contradições. [...] Com efeito, não afirmamos que os fatos sociais sejam coisas materiais, e sim que constituem coisas ao mesmo título que as coisas materiais, embora de maneira diferente.

Com efeito, que é coisa? A coisa se opõe à idéia, como se opõe entre si tudo o que conhecemos a partir do exterior e tudo o que conhecemos a partir do interior. É coisa todo objeto de conhecimento que a inteligência não penetra de maneira natural, tudo aquilo de que não podemos formular uma noção adequada por simples processo de análise mental, tudo o que o espírito não pode chegar a compreender, senão sob a condição de sair de si mesmo, por meio da observação e da experimentação, passando progressivamente dos caracteres mais exteriores e mais imediatamente acessíveis para os menos visíveis e mais profundos. Tratar fatos de uma certa ordem como coisas não é, pois, classificá-los nesta ou naquela categoria do real; é observar, com relação a eles, certa atitude mental. Seu estudo deve ser abordado a partir do princípio de que se ignora completamente o que são, e de que suas propriedades características, assim como as causas desconhecidas de que estas dependem, não podem ser descobertas nem mesmo pela mais atenta das introspecções. (DURKHEIM, Émile. Fatos sociais: o estudo das representações coletivas. In: FORACCHI, M. M. & MARTINS, J. S. Sociologia e sociedade: leituras de introdução à sociologia. Rio de Janeiro, LTC, 1977. p. 23.)

 

Sobre a definição de ação social

            A ação social (incluindo tolerância ou omissão) orienta-se pela ação de outros, que podem ser passadas, presentes ou esperadas como futuras (vingança por ataques anteriores, réplicas a ataques presentes, medidas de defesa diante de ataques futuros). Os “outros” podem ser individualizados e conhecidos ou então uma pluralidade de indivíduos indeterminados e completamente desconhecidos ( o “dinheiro”, por exemplo, significa um bem – de troca – que o agente admite no comércio porque sua ação está orientada pela expectativa de que os outros muitos, embora indeterminados e desconhecidos, estarão dispostos também a aceita-lo, por sua vez, numa troca futura).

            [....] Nem toda espécie de contato entre os homens é de caráter social; mas somente uma ação, como sentido próprio, dirigida para a ação de outros. O choque de dois ciclistas, por exemplo, é um simples evento como um fenômeno natural. Por outro lado, haveria ação social na tentativa dos ciclistas se desviarem, ou na briga ou consideração amistosa subseqüentes ao choque. (Max Webwer. Ação social e relação social. In: M.M. Foracchi e J.S. Martins Sociologia e Sociedade – leituras de introdução à Sociologia. RJ, Livros Técnicos e Científicos, 1977. p.139.)

 

Sobre a concepção marxista da sociedade

O resultado geral a que cheguei e que, uma vez obtido, serviu de fio condutor aos meus estudos, pode formular-se resumidamente da seguinte forma: Na produção social da sua existência, os homens contraem relações determinadas, necessárias, independentes da sua vontade, relações de produção, que correspondem a um dado grau de desenvolvimento das suas forças produtivas materiais. O conjunto destas relações de produção forma a estrutura econômica da sociedade, a base real sobre a qual se eleva uma superestrutura jurídica e política e a que correspondem formas determinadas de consciência social. O modo de produção da vida material condiciona a existência social, política e intelectual em geral. Não é a consciência do homem que determina a sua consciência. Em determinado grau da sua evolução, as forças produtivas materiais da sociedade entram em contradição com as relações de produção existentes ou, o que não é senão uma expressão jurídica disso, com as relações de propriedade em cujo seio se tinham movido até então. Estas relações transformam-se de formas de desenvolvimento das forças produtivas em seus entraves. Abre-se então uma época de revolução social. Com a transformação da base econômica, toda a imensa superestrutura se transforma com maior ou menor rapidez. (Karl Marx, da Introdução Geral à Crítica da Economia Política, In: Manuscritos econômicos –filosóficos e outros textos escolhidos, SP, Abril Cultural, 1978, p.129.)

 

a) Por que Durkheim afirma que os fatos sociais devem ser tratados como coisas? Relacione essa definição com o caráter exterior e coercitivo que segundo ele, caracteriza os fatos sociais.

b) Como Weber define a ação social? Quais as diferenças entre a definição de ação social, de Weber, e a de fato social, de Durkheim? Comente.

c) Segundo Marx, qual o papel da estrutura econômica na transformação da sociedade?

 

 

 

 

TEMA DO TRABALHO: "SOCIOLOGIA EM CENA"

ENTREGA: 00/00

vALOR: 10,0

FORMATO: trio

Com base nas aulas 1 a 5, os alunos escolheram uma ideia ou tema estudado no curso de Sociologia e criaram um vídeo com  duração máxima de 3 minutos retratando, exemplificando ou dialogando a partir do tema abordado alguma cena de nossa sociedade  cotidiana. A filmagem pode ser real, encenada ou edição de outras fontes. No final do vídeo deve aparecer uma explicação das motivações do filme e sua relação com o tema escolhido.

 

 

 

 

 

TEMA DO TRABALHO: Operário em construção

ENTREGA: 00/00

vALOR: 10,0

FORMATO: TRio

 

 

Leia o poema "Operário em Construção" de Vinícius de Morais e responda as questões abaixo:

 

a) Qual sua impressão imediata da poesia de Vinicius de Morais?

b) Como o título “O operário em construção” se articula com o enredo da poesia?

c) Uma poesia pode ser compreendida como uma “desconstrução” ou “reconstrução” de significados, relacionados a conceitos, pensamentos e, principalmente, ao sentido da própria palavra, ou seja, retira a palavra do “senso comum” e da “habitualidade cotidiana" de significados correntes para revesti-la de outro sentido para proporcionar uma nova visão daquilo que trata. Nessa perspectiva, justifique como a poesia de Vinícius de Morais pode ser tomada como metalinguagem.

d) Defina os significados das seguintes passagens do poema:

d.1: “De fato, como podia / Um operário em construção / Compreender por que um tijolo / Valia mais do que um pão?”

d.2: “Mas ele desconhecia / Esse fato extraordinário: / Que o operário faz a coisa / E a coisa faz o operário.”

d.3: “O operário adquiriu / Uma nova dimensão: / A dimensão da poesia.”

d.4: “Seu trabalho prosseguia / E todo o seu sofrimento / Misturava-se ao cimento”

d.5: “Agigantou-se a razão / De um homem pobre e esquecido / Razão porém que fizera / Em operário construído / O operário em construção.”

e) Leia essa passagem da Bíblia: “E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo: — Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares, tudo será teu. E Jesus, respondendo, disse-lhe: — Vai-te, Satanás; porque está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás.” (Lucas, Cap. V, versículos 5-8). Compare o “NÃO” de Jesus e do operário? É semelhante? É diferente? Justifique sua resposta.

f) Com base na poesia, para uma revolução das classes operárias bastaria o quê?

g) O que ocorreu ao operário? O poeta é pessimista? Justifique sua resposta.

h) Relacione o poema a uma discussão dos capítulos estudos sobre trabalho.

 

 

 

 

3º TRI

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL

ENTREGA: 00/00

vALOR: 3,0

FORMATO: INDIVIDUAL

 

 

Com base nos temas estudados no módulo 2, faça uma pequena dissertação, com título e subtítulo, considerando as imagens abaixo.

 
   

 

 

 

© Todos Direitos Reservados