VER HISTÓRIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEXTOS

 

 

 

As origens e o desenvolvimento da Revolução Industrial Britânica
Eric J. Hobsbaw

 

Discutiu-se frequentemente sobre as condições gerais para a "arrancada" inicial. A maioria está de acordo em que o estímulo particular que impulsiona a indústria a atravessar a porta da revolução industrial pode apenas ocorrer sob determinadas condições econômicas e sociais, que não precisamos discutir extensamente aqui, pois atualmente não são objeto de controvérsia, pelo menos no que diz respeito à Grã-Bretanha, em cujo século XVIII não faltou nenhuma. Além disso, é consenso que a presença destes estímulos é mais provável numa indústria produtora de bens de consumo amplamente difundidos, estandardizados razoavelmente mais para compradores pobres do que para ricos, fabricados com matérias-primas cuja demanda pode crescer sem aumentar excessivamente os custos, e cujo transporte reflete pouco no preço (em tempos recentes tornou-se a assinalar a situação vantajosa da Grã-Bretanha no período pré-industrial, quando os transportes navieiros eram bastante menos custosos do que os terrestres). Uma indústria desta natureza se prestaria de maneira especial, à revolução, se fosse possível introduzir a mudança tecnológica com sentido oportunista e a baixo custo, e se não fosse demasiado complexo; isto é, se não exigisse um conjunto altamente capacitado ou tecnicamente especializado de empresários e Operários, ou um investimento preliminar excessivo, ou inovações científicas e tecnológicas prévias. Quando os novos métodos de produção não se mostram claramente superiores, em eficiência e rentabilidade, ao velho e provado sistema, surge sempre um período de experimentação e incerteza, que para muitos investidores significou a falência. Mas, quanto mais simples e menos custosas forem as inovações, mais provável será sua adoção geral. Em outras palavras, "não é uma simples bobagem supor que o setor têxtil foi o melhor preparado para dar sinal de partida na primeira arrancada".


É necessário, no entanto, conhecer ainda as condições superficiais que estimularam essa "arrancada". Entre elas se encontram, certamente: a) uma limitação externa para a expansão dos velhos métodos (como, por exemplo, a escassez da mão de obra ou o alto custo dos transportes) que torna difícil aumentar a produção além de certo ponto com os métodos existentes, e, sem dúvida, b) uma perspectiva de expansão do mercado, tão ampla, que justifique a diversificação ou o aperfeiçoamento dos métodos antigos; e c) tão rápida, que a ampliação e modificação destes não possa enfrentá-la. Mais, quais são as circunstâncias que produzirão essas condições?


Parece provável que um estudo do mercado nos proporcione a resposta. E aqui, a redescoberta da importância do que Marx chamou "o mercado mundial", permitiu um progresso significativo. Na verdade, não basta apenas sugerir que "o impulso inicial em direção à industrialização possa brotar tanto do exterior, quanto do interior de uma mesma economia". Sob as condições do desenvolvimento capitalista, antes da revolução industrial, é mais provável que o impulso provenha do exterior. Por essa razão, está cada vez mais claro que as origens da revolução industrial da Grã-Bretanha não podem ser estudadas exclusivamente em termos de história britânica. A árvore da expansão capitalista moderna cresceu numa determinada região da Europa, mas suas raízes tiraram seu alimento de uma área de intercâmbio e acumulação primitiva muito mais ampla, que incluía tanto as colônias de além-mar, ligadas por vínculos formais, quanto as "economias dependentes" da Europa Oriental, formalmente autônomas. A evolução das economias escravizadoras de além-mar, e das baseadas na servidão, do Oriente, participaram tanto do desenvolvimento capitalista, quanto a evolução da indústria especializada e das regiões urbanizadas do setor mais "avançado" da Europa. Começa a ficar claro, além disso, que eram necessários os recursos de todo esse universo econômico para abrir uma fenda industrial em qualquer país do setor economicamente avançado. Na verdade, é muito provável que, dadas as condições dos séculos XVI a XVIII, houvesse lugar no mundo apenas para uma potência industrial avançada, de tal forma que agora devemos nos perguntar porque devia ser precisamente a Inglaterra essa potência avançada. (...)

Qual foi o fator que criou uma base verdadeiramente adequada para o desenvolvimento posterior da economia britânica? A resposta é bem conhecida: foi a construção das vias férreas entre 1830 e 1850, com sua capacidade de consumir ferro e aço que - medida com os padrões do tempo - resultava ilimitada. Em 1830, ano da inauguração da estrada de ferro Liverpool-Manchester, a produção de aço britânico oscilava entre 600 e 700 mil toneladas, mas depois da "loucura" ferroviária da década de 1840-1850 atingiu (entre 1847 e 1848) os dois milhões de toneladas. Todos concordam em que foram as estradas de ferro, o fator determinante do desenvolvimento da siderurgia e do carvão, nesse período.

 


Qual foi a causa desta explosão imprevista dos investimentos ferroviários? Nesse caso não se pode supor a previsão de enormes ganhos e a demanda insaciável que produziram a "arrancada" do algodão, mesmo quando entre 1830-1840 os benefícios potenciais da revolução técnica foram melhor compreendidos que no século XVIII. Nem a demanda de transporte ferroviário (razoavelmente previsível por ocasião dos primeiros investimentos maciços), nem os lucros que poderiam ser esperados, podem explicar a paixão com a qual o público dos investidores britânicos se lançou na construção das estradas de ferro. Muito menos pode dar conta da perturbação mental que tomou os investidores durante booms especulativos como a "loucura ferroviária" das décadas de 1830 a 1850. Na verdade, como é sabido, muitos investidores perderam seu dinheiro, e, para a maioria dos que restaram, as vias férreas acabaram sendo antes um cofre-forte, do que um investimento lucrativo.


Dispomos realmente de esboços para uma explicação deste processo. Já faz tempo, é reconhecido que as vias férreas transformaram o mercado de capitais, criando uma saída para as economias das classes abastadas, e absorvendo "a maior parte das 60 milhões de libras esterlinas que constituíam, cada ano, o excedente de capital britânico à procura de oportunidades de investimento". Mas, não seria razoável inverter esta afirmação e sustentar que as estradas de ferro foram criadas pela pressão do excedente que se acumulava, diante da impossibilidade de encontrar uma saída adequada nas indústrias já existentes, que não estavam em condições de absorver novos capitais? A pressão foi particularmente intensa nesse período (como de maneira geral é admitido) porque a alternativa mais óbvia - exportar os excedentes de capital -, tinha sido temporariamente desincentivada pelas violentas experiências padecidas por aqueles que investiram na América meridional e setentrional. Do ponto de vista dos investidores, se as estradas de ferro não tivessem existido, teria sido preciso inventá-las. (...)


Neste artigo limitei-me a apresentar algumas questões fundamentais da história econômica que se relacionam com a origem e o desenvolvimento da revolução industrial britânica, em detrimento da análise de muitos aspectos tradicionais do tema, assim como também de alguns problemas contíguos. Pode ser afirmado com tranquilidade que o interesse pelas origens e o desenvolvimento da revolução industrial britânica é muito maior hoje do que no passado. Também não há dúvida de que estamos cada vez mais perto de uma formulação clara do problema, e, talvez, de algumas hipóteses adequadas, mas a discussão ainda hoje continua sendo nebulosa e obscura. Espero que este ensaio possa contribuir para torná-la mais transparente. (Hobsbawm, Eric J. As Origens da Revolução Industrial. São Paulo, Global, 1979, pp. 112-5, 121-3 e 124-5.)

 

 

 

                 
7

©VERHISTORIA

  © Todos Direitos Reservados